sábado, 24 de maio de 2014

Infância interrompida - Cathy Glass

Título Original: DAMAGED: The heartbreaking true story of a forgotten child
Autor: Cathy Glass
Tradução: Beatriz Sidou
Editora: Fundamento
Número de Páginas: 288
ISBN: 9788539507009
Ano: 2013
Nota: 5/5

Outro Livro Viajante, o melhor livro do Grupo Livro Viajante. Um livro que nunca imaginei que leria, simplesmente, porque não o conhecia. 

O problema do mundo é o SER HUMANO. Terminei de ler esse livro, e esse é o único sentimento que tenho, a impotência diante do dominó de erros que permitem que crianças como Jodie continuem a ser maltratadas todos os dias.

Cathy é uma mulher incrível, sua profissão: acolhedora. Ela dá as crianças, que aguardam a decisão judicial do rumo de suas vidas, um teto, amor e compreensão. Ela dá uma família. Cathy é a melhor no que faz, e é por isso que Jodie vai parar em sua casa.

Jodie é uma menina introvertida e difícil, depois de passar por cinco acolhedores, o Serviço Social não sabia mais o que fazer. O que ninguém sabia era o que estava por trás do pequeno monstro que todos conheciam. A doce menina que não entendia o que era certo e errado, a menina que não sabia o que era amor, o que era bom ou ruim. Tudo que eles conheciam era um monstro violento e que usava qualquer meio para persuadir as pessoas a lhe darem o que queria.

Cathy aceitou a responsabilidade de cuidar de Jodie, de ensiná-la e tentar entender o que se passava naquela cabecinha. Com a ajuda de seus filhos Adrian, Lucy e Paula (que são crianças maravilhosas), ela tentou dar Jodie uma família. Mostrar-lhe o que era amor de verdade, o que pessoas boas faziam pelas outras e o senso de comunidade. Mas infelizmente Jodie tinha suas limitações. Com uma deficiência grande de aprendizagem, ela não conseguia assimilar os ensinamentos de Cathy e, cada dia, tornava a vida da família mais difícil.

Com o tempo, Cathy foi ganhando confiança e acabou descobrindo o que realmente aconteceu com Jodie. Foi descobrindo o quanto o serviço social foi negligente com o caso dela. O quanto era inútil o serviço de Eileen, a assistente social irresponsável por Jodie [a mulher não visitava a menina, e nem procurava saber o que se passava com ela], a única ajuda de Cathy vinha de Jill, uma outra assistente social que realmente trabalhava.

Ao ler esse livro eu senti raiva, revolta, pena, tristeza e um tantinho de felicidade. Existem inúmeras Jodies pelo mundo e o que fazem por elas? Quantas tentam pedir ajuda, mas não são atendidas? Quantas pessoas se omitem, mesmo sabendo que existem crianças próximas sendo maltratadas? A impunidade dessas pessoas vai durar até quando? O livro fala principalmente disso, o quanto a impunidade pode causar danos a uma vida inocente.

Eu chorei, eu chorei com a infância perdida, com a inocência destruída. Com a maldade que foi instalada no coração dessa menina. O ódio que ensinaram a ela, a revolta e o rancor que a alimentaram por tantos anos.

Com certeza é um dos meus favoritos, não só pelo teor social, mas pela abordagem incrível de Cathy, o livro é lindo, delicado e muito bem escrito. Capítulos pequenos garantem uma leitura rápida e uma divisão de abordagens muito boas. É um livro que todos deveriam ler, e eu super hiper mega recomendo.

4 comentários:

  1. Oi Teté, muito boa a resenha!! Já tinha ficado com vontade de ler pelos seus comentários ao longo do livro e agora com essa sua resenha ainda mais. E realmente um absurdo o quanto a impunidade pode causar danos mesmo!! Espero que eu goste tanto do livro quanto você gostou.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima
    http://vamosfalarlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafa, leia. O livro é muito bom. É claro que a gente fica meio triste por saber que se trata da realidade de muitas crianças, mas a escrita da autora é ótima.

      Bjksss

      Excluir
  2. Uau! Se ja estava com vontade de ler, agora então, nem diga, Tete querida!
    Ja esta na minha lista
    Adorei o blog!
    Bjks mil

    www.blogdaclauo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cláudia,
      Obrigada, minha casa, sua casa :)
      Leia sim. Vou colocar como leitura obrigatória. rsrs
      Bjks

      Excluir